Qual é a sua festa?

Ontem estive prestigiando a comemoração pelo aniversário de um aninho da filha de um casal de amigos numa casa de festas aqui de Porto Alegre. Foi uma festa diferente. O lugar tem uma proposta alternativa, com brincadeiras mais lúdicas e nada de brinquedos eletrônicos, mas sim brinquedos de madeira, oficina de música, brincadeira de pular corda, amarelinha, jogar peão. No cardápio, comidinhas mais saudáveis (livres de frituras), água e suco. Tudo muito bom e as crianças se divertiram de igual forma.

No mesmo dia eu recebi uma carinhosa mensagem de uma amiga de infância que hoje mora longe e há tempos não nos encontramos, mas nem por isso deixou de lembrar-se de mim. A querida Fernanda Trevisan Sonntag me indicou uma recente reportagem do jornal “Folha de São Paulo” que fala exatamente sobre as tendências no mercado de festas infantis. Não tenho como indicar o link, pois a publicação foi feita em um anexo distribuido exclusivamente para o Estado de São Paulo, mas posso resumir um pouco o conteúdo. Não chega a ser novidade, mas confirma algo que eu já havia notado.

Em poucas palavras a reportagem fala que o mercado de festas infantis está em pleno boom, com uma infinidade de opções em casas de festa voltadas para agradar aos pequenos. Que no começo elas ofereciam somente o básico e, com o tempo (e a exigência do público de pais e filhos), viraram miniparques até com montanha-russa, e que agora estão surgindo aquelas com brincadeiras mais lúdicas e comida mais saudável.

Tudo isso me faz acreditar que os pais estão buscando uma maneira mais intimista de comemorar com seu filhos. Qual a explicação para isto? Além dos dois motivos citados pela reportagem (que alguns pais cansaram da impessoalidade das casas de festa tradicionais e que os custos de tais locações são altos demais), creio que as pessoas também se deram conta de que o salão de festas do condomínio, o pátio de casa ou o parque do passeio de final de semana servem muito bem para acomodar os convidados e ainda relembrar as festas de antigamente.

Mesmo que você não tenha tempo para pensar em todos os detalhes, o que importa é não deixar que as datas que consideramos importantes deixem de ser comemoradas.

Existe uma infinidade de opções de ONDE e COMO festejar. A Maria Festinha se adapta a todas elas.

Inspire-se em algumas fotos que selecionei em sites do exterior que uso como inspiração e solicite um orçamento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *